Início » Análises » Diário de Troféus – Megamind (Análise)

Diário de Troféus – Megamind (Análise)

Para começar nova temporada da coluna da minha progressão de troféus, sim, eu fui vencido pelos Disneytinas. Não conheço a origem do termo, mas sei que surgiu no Fórum do MyPSt, com os disneytinas sendo os games da Disney, em sua maioria infanto-juvenis, com platinas fáceis e rápidas. Os games da série de filmes Carros, do cão Bolt, Shrek e outros. Sei que o Megamind não é da Disney (foi feito pela Dreamworks), mas acredito que poderia classificar dentro do termo, por ser uma platina relativamente rápida e o game tem apelo mais infantil. E acabou sendo mesmo, mas inicialmente eu queria ganhar a badge de Halloween do MyPSt o mais rápido que eu pudesse, e como fiquei na dúvida em qual game eu poderia tentar, decidi apelar pro game baseado no filme. E também acaba sendo uma mini-análise deste jogo que serve só para isso: troféus, pois o game não é tão bom quanto parece.

Basicamente, o jogo mostra os eventos após o filme (que eu não assisti), com o personagem principal se tornando o “herói” da cidade. Com uma súbita onda de crimes, orquestrada pela organização Doom Syndicate, o cara entrará novamente em ação, para tentar acabar com a onda de crimes. A organização também chegou a entrar no esconderijo do Megamente e roubou uma espécie de dispositivo de DNA, espalhando partes deste dispositivo em diversos locais diferentes, enquanto que o arqui-inimigo de Megamente sai da prisão e o herói azulado usará esse dispositivo de DNA para combater ele. Meio confuso, mas acaba sendo um enredo que foi inserido para mais dar um motivo para o jogador fazer as coisas. Pra falar a verdade nem eu entendi direito, mas acabei jogando mesmo assim, pelo game ter apenas 3 a 4 horas de duração.

O gameplay é basicamente plataforma, com pulos e disparos de armas contra os inúmeros oponentes que irão aparecer nas fases. O jogador também pode partir pra porradaria chegando perto dos oponentes e dando alguns sopapos, mas não é tão recomendável assim. Até aí tudo bem. O problema mesmo do jogo é que a jogabilidade é ruim. Muito ruim. Ruim de doer mesmo! Ele não consegue andar direito em linha reta, caso eu precise mover o cara na diagonal. E como temos pontes estreitas, logo na primeira fase eu acabei caindo de uma espécie de ponte, tendo a primeira morte do jogo. O game logo te coloca bem antes da plataforma, mas aí veio aquela dúvida cruel (o que mostra que pra certas coisas eu sou péssimo com interpretação de texto): eu sabia que alguns troféus eu “achava” que teria de “passar as fases” sem morrer, e pensei: “vou deixar isso pra depois e se eu não platinar, deixa quieto, só quero mais de 13 troféus mesmo”. Então fui passando e a jogabilidade começou a pregar mais peças. Na segunda fase eu achava que iria passar ela inteira sem morrer, mas acabei morrendo muitas vezes, sempre falhando nos pulos. Outras vezes eu consegui a façanha de morrer contra os inimigos, pois não encontrava na fase nenhum power up de recuperação de energia.

Depois que eu terminei o game, eu já não tinha “esperanças” de platinar, pois numa das fases eu morri tantas vezes que tinha momentos que eu quase desisti. Era muito irritante morrer ao tentar pular algumas caixas flutuantes que ficavam nos esgotos, sempre errando o pulo. Aquele negócio: os desenvolvedores não pensam nunca em criar um game ruim, mas parece que as equipes de testes não fizeram os trabalhos direito. Mas enfim, depois que terminei o game, ao checar a lista de troféus, vi que eu tinha ganhado quase todos eles! Os troféus que eu achava que eu deveria passar sem morrer eram os troféus dos chefes, e eu tinha passado eles sem morrer, faltando apenas o troféu de vencer o último chefão sem morrer. As mortes durante as fases normais não contavam! ALELUIA IRMÃOS!!! Venci o chefe, platinei e aí fui tentar achar a tal da badge de Halloween, não encontrando ela na página inicial do meu perfil no MyPSt. Questionando os administradores pelo Twitter, eles me disseram que eu já tinha ganhado a badge… em 2009! Fazê o quê…mas pelo menos foi uma experiência um pouco diferente quanto a esse lance de troféus e de jogar games ruins que tem forte apelo quanto aos coletáveis do PS3. E como o ranking de troféus está meio parado, então não teria lá muito problema. Claro que para muitos eu fiquei com a ficha suja, mas é melhor um Megamente do que o game da Hannah Montana!

[Imagens via BUZZMYGEEK e PS3Chat]

Relacionados e Publicidade