Início » A PSN e o jeitinho brasileiro

A PSN e o jeitinho brasileiro

Olá Select Gamers.
Quase sempre o termo jeitinho brasileiro é associado a alguma atitude negativa, o que não é o caso deste post onde conversaremos sobre a estranha relação da Sony BR com os gamers brasileiros e as mil maneiras que nos viramos para comprar na Playstation Store Network.
Recentemente senti o saudável gostinho de ser um autêntico gamer americano na PSN. Explico: é inegável (e admirável) o que o Playstation 3 proporcionou aos gamers brasileiros, o sentimento de ser um jogador com todos os games originais e como consequencia, usufruir das vantagens que só os produtos oficiais podem proporcionar (muita gente só experimentou partidas online sem servidores alternativos ou cheats com o PS3).
Pensando no gamer brasileiro, acredito que não só eu, mas outras centenas de milhares de gamers ao possuir uma plataforma ainda não hackeada, mudaram completamente a visão sobre jogos piratas. Basta ver as enquetes tão comuns em foruns perguntando sobre o que faria caso o Playstation 3 ganhasse uma destrava. É quase unânime o posicionamento desse jogadores sobre se manter nos originais para principalmente, continuar com o acesso ao conteúdo e partidas online proporcionadas na PSN. Eu particularmente, após o PS3, me livrei de todos os meus games de PC piratas, passei a utilizar o magnífico STEAM pagando em dólar por lançamentos, atualizei meu PSP e passei a comprar UMDs. E agora o próximo passo é adquirir os originais de PS2.
Mas não é paradoxal que essas vantagens tão valorizadas da PSN pelos jogadores brasileiros ainda sejam tão inacessíveis para a maioria deles?
E não me refiro ao preços praticados sobre os jogos, videogames e acessórios que estamos cansados de reclamar. Mas sim ao acesso e facilidades à compra de conteúdo PSN. Até quem tem um cartão internacional (minoria, da minoria da minoria) sofre para comprar lá porque simplesmente nossa querida Sony, não aceita oficialmente cartão internacional brasileiro. Olha só como nós tupiniquins nos viramos na PSN:
O que é bom dura pouco | a limitada opção de comprar conteúdo em grupos.
São inúmeros vendedores no Mercado Livre, fóruns, sites especializados que formam grupos de cinco jogadores para comprar jogos, conteúdo adicional, expansões e afins (pois uma conta na PSN pode ser utilizada e compartilhada em até 5 Playstations 3). Até que não é uma opção cara, mas para CADA compra é criado um novo usuário dentro do limite de 16 que o Ps3 oferece. Dá então para imaginar a limitação dessa opção sabendo que caso seja deletado a conta criada para uma compra, perdemos o acesso ao conteúdo vinculado a ela.
Conta comigo | com amigos tudo fica melhor =D
A opção mais barata e mais prática de participar de grupos de compra. Junte 5 amigos, um deles que consiga comprar créditos na PSN, ele compra e compartilha a conta e conteúdo com mais quatro. Formando assim um grupo que compra regularmente vários jogos e outros conteúdos e ocupando apenas mais um usuário extra nas limitadas contas do Ps3. Assim eleiminamos o problema de criar vários usuários e paga-se bem mais barato pois eliminamos o lucro dos vendedores da opção acima. Lembrando que a Sony e produtoras não aprovam oficialmente os métodos de compartilhamento de contas e conteúdo.
E como o amigão do grupo ou quem revende (e lucra) para grupos conseguem os créditos na PSN?
Vivendo perigosamente | a agora perigosa aventura do Entropay e serviços semelhantes
O que parecia ser uma boa opção: adicionar dolares em contas de serviços como Entropay, e através deles comprar créditos na PSN, virou motivo de ban temporário, e levou gamers ao desespero. O motivo? O endereço de cadastro na Entropay (que precisa ser o real brasileiro) não batia com o cadastro da conta americana do gamer. O que é um motivo bastante revoltante, visto que nossa PSN com cadastro no Brasil NÃO dá acesso ao conteúdo da loja. O que nos obriga a criar contas com endereços fictícios nos estados unidos para efetuar compras. É de deixar qualquer um bastante chateado não? É como investir na Sony e produtoras e ser punido por isso. E depois da onda de ban temporário, poucos se aventuram hoje a utilizar o entropay.
Cartões PSN em reais | reais esse barato sai caro =(
Não vamos então julgar a Sony e PSN como más, afinal preocupada com os jogadores que não possuem cartão de crédito lançaram os PSN Cards de valores de $ 5 até $ 50 doletas. O que é muito bom. Muito bom para quem mora fora, porque aqui no brasil que precisamos pagar em real, cobra-se em média de 120,00 a 150,00 reais (ou mais) por um cartão de $ 50. A solução da Sony para quem não tem cartão internacional funciona bem, mas mais uma vez os brazucas pagam bem mais caro na história.

Cartões PSN em dólar | esse barato sai menos caro =)
E para a minoria, da minoria dos brazucas que possuem cartão internacional, serviços como o do Maximum Cards são sensacionais. Em geral é cobrado de 10% a mais por cartão de $ 50 doletas. Essa cobrança é pelo serviço de após confirmado o pagamento, enviam o código do cartão e quem comprou pode usufruir dos créditos na PSN. É uma boa opção, se paga menos se comparado a quem paga em real, mas ainda assim é uma solução em acabamos pagando mais caro quando não se deveria.
Opção Gastão | a mais justa opção
Essa é uma opção para poucos de sorte, e é o que me motivou a escrever esse post. Quando falei sobre o saudável gostinho de se sentir um gamer americano, foi sobre a opção “Gastão” ser para poucos, muito poucos e de muita sorte. Caso você possua um cartão internacional e os primeiros cinco números do seu cep brasileiro bater com algum cep dos EUA, a Psn aceita o cartão internacional brasileiro para adicionar dólares. Ou seja, podemos pagar 20 dólares para ter acesso a 20 dólares! Nada de grana extra desperdiçada ou espera para receber o código do cartão PSN quando comprado pelos meios acima. Foi o que aconteceu comigo e me fez sentir como um legítimo gamer americano que paga em dólar, adicionei 25 doletas na “carteira” da PSN e compreis os dlcs de SOCOM e KILLZONE 2. É ótima a sensação de pagar justamente o que se cobra sem atravessadores, algo como o steam já proporciona há um bom tempo aceitando tranquilamente cartões internacionais de brasileiros. Mas o que impede a Sony de fazer o mesmo? Por que nem com conteúdo digital podemos ter essa vantagem?
Esse é ainda um pensamento excludente, pois somente uma mínima parcela de gamers possuem cartão internacional ou a sorte do Gastão.
Não sou americano, quero sentir esse gostinho como brasileiro e seria ótimo ver tal feito em uma PSN BR. É decepcionante ver que uma empresa com um produto que em pouco tempo alterou hábitos e costumes de boa parcela do mercado conhecido pela grande pirataria ainda vire as costas para o Brasil. Não afirmo que seja simples de se fazer, afinal moramos no país das tributações. Mas um mínimo de incentivo, seria algo sensacional para nós. Afinal, não temos nem o Playstation 3 lançado oficialmente aqui, mas temos já os jogos sendo vendidos de forma oficial com preços tabulados em 199,00 para lançamentos. Por que não ter também os cartões americanos com valores oficiais em reais? Visto que para utilizar um PSN card não é necessário cadastrar endereço, não existe nem a desculpa de precisar de um PSN BR então.
Até lá vamos literalmente pagando caro e suando para ser um gamer no Brasil. Pensando bem nosso “jeitinho brasileiro” para comprar na PSN é mesmo uma atitude negativa, negativa para os nossos bolsos.