Início » Richard Stallman: “Ninguém deveria tocar num Playstation 3”

Richard Stallman: “Ninguém deveria tocar num Playstation 3”

saintignucius

É isso aí. Saiu no Canal dos Games a pérola da semana. Algo que quando a Sony souber com certeza ela vai soltar uma crítica (e um monte de risadas, já que pérola é pérola!) contra um dos caras mais malucos da tecnologia atual. O nome do cara é Richard Stallman, defensor roxo de software livre. Tudo bem que as contribuições do cara para a área são importantes, mas ele chegar e ir contra tudo que é fechado é algo que beira o ridículo. Por exemplo, hoje ele disse no FISL (Fórum Internacional de Software Livre) que o Playstation 3 não pode ser tocado. E olhem a justificativa do caboclo:

O argumento de Stallman é de que, já que os jogos do Play3 não podem ser copiados, o videogame da Sony fere a liberdade dos usuários.

Liberdade dos usuários? Ah, faça-me o favor! Eu posso escolher o jogo que quiser e posso baixar o que quiser na PSN. Tudo bem que eu tenho de pagar, mas se a Sony definisse o que eu teria de jogar, obrigando o jogador a jogar um certo título, aí tudo bem. E tem outra, os melhores jogos são feitos por equipes grandes com grandes orçamentos. Uma indústria bilionária. Tacar um game assim de graça é quebrar a empresa! É claro que alguns games indie gratuitos conseguem um lugar ao sol, mas isso é pouco. E muitos deles não são opensource.

Agora, quanto á questão da pirataria, bom, eu não vou ficar discutindo com um ser ignúcius que nem ele…e com isso fico com o comentário do Emerson Facunte (um dos organizadores do XNA Gamefest Brasil), no post do Canal dos Games:

O movimento Software Livre é bastante sério, no entanto discursos – hipócritas, diga-se de passagem – como esse sugerem a pirataria em massa, derrubando completamente todo o bom trabalho desenvolvido na comunidade. A indústria de games está cada vez mais séria, produzindo e fornecendo experiências que mudam a humanidade (Wii, Project Natal, games realísticos, etc). Tudo isso demanda forte investimento, mas com discursos maliciosos como desse cidadão, poderemos ter uma nova quebra na área.

[Imagem via Contraditorium]